BIBLIOTECAS DAS ESCOLAS DE MONTE GORDO/SANTO ANTÓNIO

27
Out 16

No âmbito das comemorações do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, foi realizado um Bibliopaper temático que resultou da articulação curricular entre a Biblioteca Escolar e a disciplina de Português.

A partir da exposição itinerante "ANTÓNIO ALEIXO: Poeta do Povo", os alunos do 5.ºH, orientados pelo Professor Nuno Martins, e os alunos do 6.ºH, 6.ºI e 6.ºJ, orientados pela Professora M.ª José Pedro, exploraram a vida e obra do poeta de uma forma dinâmica e divertida.

DSC06733.JPG

DSC06734.JPG

DSC06735.JPG

DSC06736.JPG

DSC06738.JPG

DSC06740.JPG

DSC06741.JPG

DSC06742.JPG

DSC06747.JPG

DSC06748.JPG

DSC06751.JPG

 

 

publicado por bibliocentro às 12:11

13
Out 16

Durante o mês de Outubro - Mês Internacional das Bibliotecas Escolares - a exposição itinerante "ANTÓNIO ALEIXO - POETA DO POVO"  está disponível na nossa Biblioteca.

De apresentação gráfica impactante e conteúdo claro e pedagógico, a vida e obra do poeta algarvio é explanada em 12 grandes quadros, disponibilizados pela Biblioteca Municipal Vicente Campinas.

 Aparece, aprecia e aprende!

DSC06610.JPG

 

António Fernandes Aleixo nasceu em Vila Real de Santo António, a 18 de Fevereiro de 1899 e faleceu a 16 de Novembro de 1949 em Loulé. Poeta popular de relevo, conhecido pela sua ironia e critica social, era considerado um homem simples, tendo deixado uma obra poética única no panorama literário português da primeira metade do século XX. “Este livro que vos deixo”, “O Auto do Curandeiro”, “ O Auto da vida e da Morte”, o incompleto “O Auto do Ti Joaquim” e “Inéditos” foram algumas das obras que nos deixou. Pobreza, diversos empregos, emigração e doenças, marcam a vida de uma personalidade rica, vincada e conhecedora das diversas realidades culturais da sociedade do seu tempo. Possuidor de uma rara capacidade de improviso e espontaneidade, de um esclarecido sentido filosófico e extraordinária expressão sintética de ideias sobre os comportamentos morais da sociedade, o poeta tinha como principal motivo de inspiração a crítica sofrida pelas injustiças da vida. Nunca teve a preocupação de registrar as suas “quadras” e é a Joaquim Magalhães que devemos o trabalho de compilação dos seus versos. Com o intuito de enaltecer a memória e a obra do poeta, renovando o interesse das novas gerações e motivando a comunidade escolar local pela sua descoberta, a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António desenvolve agora esta exposição itinerante

Ficha Técnica

Coordenação: Miguel Godinho

Textos: Marcelo Jerónimo

Ilustração/Desenhos: David Mota

Conceção Gráfica: Gabinete de Comunicação Social e Protocolo / CMVRSA

publicado por bibliocentro às 09:18

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


logotipo
à procura do tempo perdido
António Aleixo
E vós que do vosso império prometeis um mundo novo calai-vos que pode o povo q`rer um mundo novo a sério.
visitas
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO