BIBLIOTECAS DAS ESCOLAS DE MONTE GORDO/SANTO ANTÓNIO

21
Mar 11

 
Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.
 
Alexandre O'Neill
publicado por bibliocentro às 13:17
sinto-me:

19
Mar 10

A poesia acontece todos os dias. Façamos das nossas vidas um longo e mágico poema e a caminhada que iniciámos, no dia do nosso nascimento, será uma festa na complexa aventura de viver.

 
Pedra Filosofal
 
Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.
 
eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.
 
Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.
 
Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.
 
In Movimento Perpétuo, 1956

 

António Gedeâo

Poeta, professor e historiador da ciência portuguesa. António Gedeão, pseudónimo de Rómulo de Carvalho, concluiu, no Porto, o curso de Ciências Físico-Químicas, exercendo depois a actividade de docente. Teve um papel importante na divulgação de temas científicos, colaborando em revistas da especialidade e organizando obras no campo da história das ciências e das instituições, como A Actividade Pedagógica da Academia das Ciências de Lisboa nos Séculos XVIII e XIX. Publicou ainda outros estudos, como História da Fundação do Colégio Real dos Nobres de Lisboa (1959), O Sentido Científico em Bocage (1965) e Relações entre Portugal e a Rússia no Século XVIII (1979).
Revelou-se como poeta apenas em 1956, com a obra Movimento Perpétuo. A esta viriam juntar-se outras obras, como Teatro do Mundo (1958), Máquina de Fogo (1961), Poema para Galileu (1964), Linhas de Força (1967) e ainda Poemas Póstumos (1983) e Novos Poemas Póstumos (1990). Na sua poesia, reunida também em Poesias Completas (1964), as fontes de inspiração são heterogéneas e equilibradas de modo original pelo homem que, com um rigor científico, nos comunica o sofrimento alheio, ou a constatação da solidão humana, muitas vezes com surpreendente ironia. Alguns dos seus textos poéticos foram aproveitados para músicas de intervenção.
Em 1963 publicou a peça de teatro RTX 78/24 (1963) e dez anos depois a sua primeira obra de ficção, A Poltrona e Outras Novelas (1973). Na data do seu nonagésimo aniversário, António Gedeão foi alvo de uma homenagem nacional, tendo sido condecorado com a Grã-Cruz da Ordem de Sant'iago de Espada.


 

Com o objectivo primeiro de defesa da diversidade linguística, a UNESCO decidiu, em 1999, proclamar o dia 21 de Março Dia Mundial da Poesia.

publicado por bibliocentro às 10:31
sinto-me:
música: Pedra filosofal - Manuel Freire

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


à procura do tempo perdido
António Aleixo
E vós que do vosso império prometeis um mundo novo calai-vos que pode o povo q`rer um mundo novo a sério.
tags

"a química do amor"

"conta lá"

"contar as metas"

"house&furniture"

"i am because we are"

"ida às compras"

"tio lobo"

1.ºciclo

25 de abril

25 de abril de 1974

31 de janeiro

abril

action painting

actividades

antigo egipto

antónio aleixo

arte

aulas

aventura

be/cre

becre

bibliopaper

biblioteca

biblioteca escolar

bibliotecas

cacela

cacela velha

cegonha

ciipc

comemoração

como consultar um dicionário

concurso

concurso de leitura

concurso nacional de leitura

declaraçao de amor

destaques

dia internacional da pessoa com deficiên

dia mundial da poesia

dia mundial do livro

encontro com autores

english speaking countries

escola

escritor

exposição

exposições

fábulas

feira do livro

férias

fernando pessoa

festa da leitura

filme

filmes

filosofia

formação

formação de utilizadores

formação de utilizadores; organização da

gripe a

halloween

história

histórias

hora do conto

hora do conto histórias

leitor

leitura

ler leitura livros

liberdade

língua portuguesa

literatura

livro

livros

manuela ribeiro

mapas mentais

melhores leitores

mês das bibliotecas escolares

mibe

monte gordo

música

natal

ondina santos

operadores boleanos

organização do estudo/pesquisa

passeios

pnl

poesia

pop art

prémios

prémios melhores leitores

recital

rede de bibliotecas do baixo guadiana

rosa-dos-ventos

semana cultural

semana da leitura

sinónimos de leitura

sinónimos de leitura. encontro com escri

sistema solar

teatro

trabalho colaborativo

trabalho de pesquisa

ultimato

vila real de santo antónio

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO