BIBLIOTECA DA ESCOLA DE MONTE GORDO

04
Jan 12

 

A ORIGEM DO MÉTODO BRAILLE

 

         Um dia, um menino de 3 anos estava na oficina do pai e vendo-o fazer arreios e selas, pensou: Quando for grande quero ser como o meu pai”. Este menino, de nome, Louis Braille nasceu em 4 de Janeiro de 1809 em Coupvray, na França, a cerca de 40 quilómetros de Paris.

 

        Certo dia, ao tentar imitar o seu pai, agarrou num instrumento pontiagudo e começou a bater numa tira de couro. O instrumento escapou da pequena mão, atingindo-lhe o olho esquerdo. Pouco tempo depois, uma infecção atingiu o olho direito e o menino ficou totalmente cego. Com o passar do tempo, embora se esforçasse para se lembrar, as imagens foram gradualmente desaparecendo e ele deixou de se lembrar das cores.

 

        Aprendeu a ajudar o pai na oficina, trazendo ferramentas e peças de couro. Na tentativa de que Louis tivesse uma vida o mais normal possível, os pais e o padre da paróquia, Jacques Palluy, matricularam-no na escola local. Louis tinha enorme facilidade em aprender o que ouvia e em determinados anos foi seleccionado como líder da turma. Com 10 anos de idade, Louis ganhou uma bolsa do Institut Royal des Jeunes Aveugles de Paris (Instituto Real de Jovens Cegos de Paris).

 

        Aqui, havia livros com letras grandes em relevo. Os estudantes sentiam, pelo tacto, as formas das letras e aprendiam as palavras e frases. Rapidamente o jovem Louis descobriu que era um método limitado. As letras eram muito grandes e uma história curta enchia muitas páginas. O processo de leitura era muito demorado, a impressão de tais volumes era muito cara e em pouco tempo o menino tinha lido tudo que havia na biblioteca. Queria mais. Na ocasião, ele escreveu no seu diário: “Se os meus olhos não me deixam obter informações sobre homens e eventos, sobre ideias e doutrinas, terei de encontrar uma outra forma.”

 

        Como adorava música, tornou-se estudante de piano e violoncelo. O amor à música aguçou seu desejo pela leitura. Queria ler também notas musicais. Passava noites acordado, pensando em como resolver o problema. Um dia, ouviu falar de um capitão do exército que tinha desenvolvido um método para ler mensagens no escuro. A escrita nocturna consistia em conjuntos de pontos e traços em relevo no papel. Os soldados podiam, correndo os dedos sobre os códigos, ler sem precisar de luz. Ora, se os soldados podiam, os cegos também podiam, pensou o garoto. De imediato, procurou o capitão Barbier que lhe mostrou como funcionava o método.

 

        Fez uma série de furinhos numa folha de papel, com um furador muito semelhante ao que cegara o pequeno. Noite após noite e dia após dia, Louist rabalhou no sistema de Barbier, fazendo adaptações e aperfeiçoando-o. Suportou muita resistência. Os donos do instituto tinham gasto uma fortuna na impressão dos livros com as letras em relevo e não queriam que tudo fosse por água abaixo… Com persistência, Louis Braille foi mostrando o seu método e os meninos do instituto mostravam-se bastante interessados. À noite, às escondidas, iam ao seu quarto, para aprender.

 

        Finalmente, aos 20 anos de idade, Louis chegou a um alfabeto legível com combinações variadas de um a seis pontos. O método Braille estava pronto. O sistema permitia também ler e escrever música. A ideia acabou por encontrar aceitação! Semanas antes de morrer, no leito do hospital, Louis disse a um amigo: “Tenho a certeza de que minha a missão na Terra terminou“.Dois dias depois de completar 43 anos, Louis Braille faleceu de tuberculose.

 

        Nos anos seguintes à sua morte, o método espalhou-se por vários países. Finalmente, foi aceite como o método oficial de leitura e escrita para aqueles que são cegos. Na França, a invenção de Louis Braille foi finalmente reconhecida pelo Estado. Em 1952, o seu corpo foi transferido para Paris, onde repousa no Panthéon. Foi desta forma que os livros puderam fazer parte da vida dos cegos. Tudo graças a um menino imerso em trevas, que dedicou a sua vida a fazer luz para enriquecer a sua e a vida de todos os que se encontram privados da visão física.

 

 

Fonte: http://bibliotecajeronimo.blogspot.com/2011/01/dia-mundial-do-braille.html

publicado por bibliocentro às 09:56
sinto-me:

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes
à procura do tempo perdido
António Aleixo
E vós que do vosso império prometeis um mundo novo calai-vos que pode o povo q`rer um mundo novo a sério.
tags

"a química do amor"

"conta lá"

"contar as metas"

"house&furniture"

"i am because we are"

"ida às compras"

"tio lobo"

1.ºciclo

25 de abril

25 de abril de 1974

31 de janeiro

abril

action painting

actividades

antigo egipto

antónio aleixo

arte

aulas

aventura

be/cre

becre

bibliopaper

biblioteca

biblioteca escolar

bibliotecas

cacela

cacela velha

cegonha

ciipc

comemoração

como consultar um dicionário

concurso

concurso de leitura

concurso nacional de leitura

declaraçao de amor

destaques

dia internacional da pessoa com deficiên

dia mundial da poesia

dia mundial do livro

encontro com autores

english speaking countries

escola

escritor

exposição

exposições

fábulas

feira do livro

férias

fernando pessoa

festa da leitura

filme

filmes

filosofia

formação

formação de utilizadores

formação de utilizadores; organização da

gripe a

halloween

história

histórias

hora do conto

hora do conto histórias

leitor

leitura

ler leitura livros

liberdade

língua portuguesa

literatura

livro

livros

manuela ribeiro

mapas mentais

melhores leitores

mês das bibliotecas escolares

mibe

monte gordo

música

natal

ondina santos

operadores boleanos

organização do estudo/pesquisa

passeios

pnl

poesia

pop art

prémios

prémios melhores leitores

recital

rede de bibliotecas do baixo guadiana

rosa-dos-ventos

semana cultural

semana da leitura

sinónimos de leitura

sinónimos de leitura. encontro com escri

sistema solar

teatro

trabalho colaborativo

trabalho de pesquisa

ultimato

vila real de santo antónio

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO